top of page

8 Exemplos de como as Organizações Públicas podem acelerar a Circularidade

Atualizado: 22 de mar de 2023


As Organizações Públicas têm um papel fundamental na jornada para um futuro mais regenerativo e justo, bem como na promoção e aceleração da transição circular nas nossas sociedades, seja a nível local, regional ou nacional, com vistas a promover a economia circular nos diversos setores.


Para clarificar o conceito de Economia Circular, segundo a Fundação Ellen MacArthur, esta é:


(…) restauradora e regenerativa por princípio e tem como objetivo manter produtos, componentes e materiais no seu mais alto nível de utilidade e valor a todo momento, fazendo a distinção entre ciclos técnicos e biológicos. A economia circular é concebida como um ciclo contínuo de desenvolvimento positivo que preserva e aprimora o capital natural, otimiza a produtividade de recursos e minimiza riscos sistémicos gerindo stocks finitos e fluxos renováveis. Funciona de forma efetiva em qualquer escala.”

O poder e a influência estratégica que as Organizações Públicas exercem sobre a sociedade e os cidadãos deve ser orientado para o alcance de soluções circulares, promovendo o bem-estar e a saúde da população e de todos os seres vivos, bem como sensibilizando e alertando todas as pessoas para as questões sociais, ambientais, políticas, culturais e económicas que possam estar alinhadas com a proposta da economia circular e da sustentabilidade.


No tocante às questões de cunho ambiental, este foco assegura diversas vantagens como uma menor pressão sobre os recursos naturais e energéticos, uma melhor gestão e valorização dos resíduos, criação de projetos e programas circulares, capacitação, envolvimento e a sensibilização da população para a economia circular e a sustentabilidade, promoção de empregos, desenvolvimento de comunidades e cidades circulares, dentre outros.


Questões como estas devem ser prioridade e fazer parte da estratégia e planeamento de todas as Organizações Públicas sejam as Autarquias, Juntas de Freguesia, Câmaras Municipais, CCDRs, Universidades, etc.


Assim, com vista a incentivar a tomada de ação por parte das Organizações Públicas e consciencializar cada vez mais a população para a importância da circularidade, neste artigo selecionamos alguns exemplos de ações que consideramos prioritárias para acelerar a transição para uma economia mais circular, limpa e verde no nosso país.


Exemplos de ações que aceleram a transição circular da nossa sociedade


A adoção de soluções e práticas circulares deve ser um imperativo para as Organizações Públicas, para que esta possam colaborar com a transição para a economia circular, bem como alcançar com maior eficácia os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, propostos pela Agenda 2030.


1. Produzir um Diagnóstico que possibilite uma visão holística


Compreender o estado da arte e avaliar o nível de circularidade da região é essencial para identificar o contexto socioeconómico e ambiental e estabelecer uma visão comum do que se pretende alcançar no futuro para da localidade.


Através de um diagnóstico inicial é possível identificar o potencial e as lacunas relacionadas com os problemas e os desafios sociais, ambientais e económicos da região, as principais indústrias que alimentam o local, o nível de circularidade, os fluxos de materiais, as principais perdas sistémicas, etc.


Reunião de trabalho

Ao se compreender de forma profunda "onde estamos", "para onde queremos ir" e "como o iremos fazer", estabelecendo objetivos claros e um plano de ação, pode-se então trabalha no desenvolvimento de uma uma visão comum para a região, conectando assim, as ponteciais soluções para os desafios socioeconómicos e ambientais da região com a transformação circular.


 
→  Através da nossa solução "BeeCreative - Inovação Circular", realizamos uma Auditoria e Diagnóstico de Oportunidades em Organizações e Regiões, caracterizando o seu perfil de forma profunda e detalhada e identificando as principais oportunidades ao nível da circularidade.

2. Dinamizar ações de capacitação e sensibilização


Através da realização de um Diagnóstico Inicial, consegue-se identificar os principais desafios e barreiras à transição circular. Com esta análise, pode então ser estruturado um plano de formação que mitigue os riscos e barreiras a esta transformação, e que sensiblize e capacite os atores centrais previamente identificados, para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa, circular e sustentável.


As Organizações Públicas podem e devem atuar ativamente a este nível, reduzindo assim, as barreiras à transição através da promoção de ações, internas e externas, que promovam a crescente consciencialização para este tema.


Formadora a dar aula

Com este objetivo, podem ser dinamizadas ações como formações/workshops, eventos, mercados ou festivais que abordem temas de suma importância para o futuro do nosso planeta como a economia circular, sustentabilidade, ecoinovação e ecodesign, gestão de resíduos, objetivos do desenvolvimento sustentável, dentre outros.


Assim assegura-se que as ações seguem uma estratégia concertada e não são apenas implementadas sem a existência de "um fio condutor".



→ Conheça as nossas ações de capacitação circular e eventos circulares de impacto, que sensibilizam e capacitam os participantes para serem agentes da mudança para a circularidade: BeeTheFuture - Capacitação Circular e  BeeSocial - Eventos Circulares 

3. Fomentar projetos e programas de inovação circular


Para acelerar a transição circular da nossa sociedade é fundamental que as Organizações Públicas possibilitem a execução de projetos e programas de ação circular que possam ser desenvolvidos por empresas e organizações privadas, ONGs, universidades, etc. O objetivo é apoiar estas entidades, dando-lhes a oportunidade de crescerem de maneira sustentável, contribuindo para a transformação do tecido empresarial.


Assim, parte do investimento público deve estar focado na criação de oportunidades que viabilizem colocar em prática projetos e programas voltados para a transformação e a inovação circular nas diversas categorias como, por exemplo: Ecoinovação, EcoEmpreeendedorismo, Cidades Circulares, Gestão, Valorização e Reaproveitamento Inteligente de Resíduos, Soluções Energéticas Verdes e Limpas, dentre outros.


Vendedor e cliente em uma loja de produtos à granel

Naturalmente, é importante não esquecer de se avaliar igualmente o nível de circularidade interna das Organizações Públicas, com o intuito de desenvolver esta transição internamente. Um exemplo notório de um projeto de circularidade interna desenvolvido por uma Organização Pública é o Centro de Upcycling de Almere, na Holanda, que respeita a qualidade e o valor dos materiais.



→  Com a nossa solução "BeeCreative - Inovação Circular", promovemos a criação, implementação, gestão e o controlo de impacto de projetos de inovação focados na transformação circular. 

4. Promover soluções circulares e sinergias empresariais


Para a construção de uma sociedade mais sustentável, verde e circular, a promoção de parcerias e sinergias circulares entre as empresas e organizações que possam alavancar a transição circular devem ser um dos objetivos a serem alcançados.


As cidades circulares, por exemplo, intensificam mais conexões entre as pessoas e os negócios, sendo, portanto, mais inclusivas e resilientes. Neste modelo, há uma maior colaboração e procura de soluções circulares entre as empresas e organizações, gerando assim, novas oportunidades.


Trabalhadores celebrando uma conquista

Além de se envolverem mais com a comunidade local, estas procuram ser mais participativas promovendo ações com menor impacto social e ambiental. Um exemplo é a troca/venda de subprodutos que serão reaproveitados por outro setor, o que diminui drasticamente a quantidade de resíduos gerados, tornando o local mais limpo, seguro e saudável para todos.



→ Através da nossa solução "BeeSocial - Eventos Business Match", organizamos sessões de business matchmaking, promovendo as parcerias e simbioses que acelerem a transição dos sectores mais relevantes para esta transformação.

5. Impulsionar a criação de empregos mais circulares


Os empregos circulares, também chamados empregos verdes, promovem o desenvolvimento sustentável e aceleram a transição para uma sociedade mais justa e circular. Eles procuram dar uma resposta mais consciente às necessidades futuras, consoante os desafios sociais, económicos e ambientais que estamos a vivenciar.


Mulher em loja de produtos à granel

As Organização Públicas tem um papel muito importante na criação e no desenvolvimento de mais postos de trabalhos circulares e regenerativos, de modo a acelerar ainda mais a transição circular e sensibilizar a população para a importância de trabalhar em prol da sustentabilidade dos sistemas.


6. Valorizar e encaminhar corretamente os resíduos


As Organizações Públicas, em alguns casos, podem ter um papel determinante de modo a assegurar uma gestão mais consciente dos resíduos produzidos pelas localidade. Para que tal aconteça, é importante um trabalho de proximidade com as organizações responsáveis de gestão de resíduos e reciclagem ao nível local, de forma a incentivar novas medidas e projetos.


Mulher a separar os resíduos nos contentores de reciclagem

Questões como a aposta na crecente valorização de biorresíduos, a implementação de projetos pilotos centrados em testar a recolha porta-a-porta, o investimento em projetos que favorençam a reutilização/remanufatura/restauro sobre a reciclagem, etc., podem assegurar melhores resultados regionais neste âmbito.


Entenda mais sobre este tema, com o nosso artigo: Portugal longe de cumprir com as metas de reciclagem para 2020


7. Incentivar o desenvolvimento de cidades circulares e sustentáveis


As cidades circulares tem um papel fundamental na construção de sociedades mais limpas, saudáveis e sustentáveis, bem como na transição para uma economia circular.


Edifícios ecológicos

Para que isto se torne uma realidade, o poder público deve desenvolver estratégias que promovam o desenvolvimento urbano sustentável, por meio do planeamento e ações locais regenerativas, e que estejam alinhadas com o alcance do objetivo do desenvolvimento sustentável número 11 (ODS 11): cidades e comunidades sustentáveis.


Neste sentido, soluções circulares aplicadas às cidades podem gerar novos empregos, melhorar a qualidade de vida da população, colaborar com a diminuição da poluição e dos gases de efeito estufa.



→ Através da nossa solução "BeeSocial", organizamos Tours Circulares em vários pontos do país, com visitas guiadas a projetos pioneiros na área da economia circular.

8. Realizar compras públicas mais verdes e circulares


Segundo a Estratégia Nacional de Compras Públicas, “as despesas públicas em obras, bens e serviços representam cerca de 14% do PIB da UE, ou seja, cerca de 1,8 biliões de euros por ano.” Para garantir que seja feita uma transição para uma sociedade circular, é fundamental que as compras públicas sejam mais ecológicas e sustentáveis, priorizando a diminuição dos impactos ambientais.


Trabalhadores organizam caixas para envio

Além de colaborar com o meio ambiente, as compras públicas mais sustentáveis estimulam o consumo mais consciente nos cidadãos, bem como exerce uma pressão maior no mercado de bens e serviços, para que estes estejam cada vez mais alinhados com o propósito de oferecer produtos mais verdes e circulares.



→ A BeeCircular desenvolveu um conjunto de Soluções Circulares que poderão ajudar a potencializar as Organizações na transição para a Economia Circular e Sustentabilidade. Contacta-nos ainda hoje e fica a saber como poderás tornar o teu negócio cada vez mais competitivo.

________________

Autoras:

Daniela Diana

Mariana Pinto e Costa

Contacte-nos: hello@beecircular.org


Fontes consultadas:

* Todas as imagens deste artigo foram retiradas do Wix Imagens.

0 comentário
bottom of page